RAID


RAIDs podem ser úteis nos casos mais complexos de performance e redundância.

Neste artigo você encontra a lista atualizada com todos os métodos de RAID suportados pela plataforma da Maxihost, bem como uma breve explicação sobre o seu funcionamento.

Disponibilidade

Nível de RAID RAID 0 RAID 1
Discos necessários 2+ 2+

Sistemas Operacionais 
suportados

  • Ubuntu 16.04 LTS ou posterior
  • CentOS 7.4 ou posterior
  • Ubuntu 16.04 LTS ou posterior
  • CentOS 7.4 ou posterior
Tipo de RAID Software Software
Como funciona Combina dois ou mais discos e distribui os dados entre eles. Saiba mais Espelha os dados entre dois ou mais discos. Saiba mais

Explicando os níveis de RAID 

O nível do RAID determina a relação entre os discos. Existem inúmeros formatos disponíveis, aqui você encontra explicações sobre os modelos suportados pela Maxihost.

RAID 0

A RAID 0 combina dois ou mais discos e distribui os dados entre eles, o que significa que os blocos de dados são separados e espalhados entre os discos de maneira alternada.

Esta abordagem traz ganhos expressivos de desempenho, já que o potencial de uma unidade de armazenamento é multiplicado pelos demais, pois a leitura e a escrita dos dados usa toda a capacidade dos discos agrupados na RAID.

Ainda assim, é preciso ter em mente uma desvantagem importante ao considerar este tipo de RAID. Já que os dados são espalhados sem redundância por todos os discos disponíveis, caso algum deles deixe de funcionar, os dados serão corrompidos e perdidos.

Desta forma, quando se utiliza RAID 0 é ainda mais importante realizar backups com frequência para evitar a perda de dados.

RAID 1

A RAID 1 espelha os dados entre dois ou mais discos. Todos os dados disponíveis são duplicados entre as unidades de armazenamento. 

Esta prática é indicada para os casos em que há necessidade de proteger e guardar dados mais sensíveis, já que nesta modalidade, caso um dos discos falhe, sempre haverá uma cópia e os dados não serão perdidos. A RAID 1 possibilita ainda a criação de novas cópias a partir da unidade não comprometida, criando redundância. 

Vale destacar que neste tipo de RAID, é muito importante que todos os discos contem com um bom desempenho, já que a velocidade de escrita nesses casos seguirá as especificações do dispositivo mais lento do grupo, uma vez que todos os dados precisam ser escritos em todos os discos envolvidos. 

Esta mesma lógica pode ser aplicada para a capacidade total dos discos agrupados. Na RAID 1, o espaço total disponível será ditado pelo dispositivo com a menor capacidade, já que ao adicionar novos discos, cria-se um novo ponto de redundância ao invés de aumentar a capacidade total de armazenamento. 

Nas operações de leitura, em teoria a performance é a mesma da RAID 0, onde se multiplica a velocidade de um único disco pela quantidade disponível.


Esse artigo foi útil?
Usuários que acharam isso útil: 2 de 2

Tem mais dúvidas? Envie uma solicitação